Header

Rastreio deteta dezenas de casos de retinopatia diabética em Arruda dos Vinhos

O número de doentes com retinopatia diabética aumentou para o dobro e a incidência da doença subiu de 5,2% para 10,5% em Arruda dos Vinhos, após um rastreio à população, revelou o ACES do Estuário do Tejo.

Até ao final de 2015, a retinopatia diabética afetava 52 dos cerca de mil diabéticos existentes naquele concelho, segundo dados disponibilizados à agência Lusa pelo Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Estuário do Tejo, ao qual pertence Arruda dos Vinhos.

Um rastreio realizado entre 17 de fevereiro e 07 de março deste ano, ao qual aderiu a totalidade dos diabéticos convocados, 570, permitiu identificar 53 novos casos, subindo assim para o dobro o número de diabéticos que padecem de retinopatia diabética.

A descoberta desses novos casos veio aumentar a incidência da doença de 5,2 para 10,5%, o que significa que 10,5% da população diabética daquele concelho, que é utente no Centro de Saúde de Arruda dos Vinhos, sofre de retinopatia diabética.

“Os ganhos em saúde para os diabéticos são significativos, uma vez que o rastreio permitiu detetar precocemente um número significativo de doentes, evitando tratamentos mais difíceis e mais prolongados”, explicou Carla Munhoz, a coordenadora do projeto de retinopatia diabética no ACES do Estuário do Tejo.

Até agora, os cidadãos efetuavam exames para o despiste da doença nas consultas de oftalmologia dos hospitais, mas desde o início do ano passaram a poder fazer rastreios da doença em alguns centros de saúde.

Na área da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), além do Estuário, foram abrangidos os ACES de Lisboa Ocidental e Oeiras, Lisboa Norte e Lisboa Central, abrangendo 60 mil diabéticos.

No território do ACES do Estuário do Tejo, depois de Arruda dos Vinhos, o rastreio está a ser alargado aos restantes centros de saúde, decorrendo até 18 de maio em Alenquer.

O ACES do Estuário do Tejo tem inscritos 225 mil utentes (15.300 são diabéticos), dos quais 12.200 são de Arruda dos Vinhos e 37.300 de Alenquer.

Até ao final do ano, a ARSLVT estima alargar os rastreios aos ACES de Sintra, Loures-Odivelas, Amadora e Cascais, aumentando a cobertura a mais 58 mil diabéticos.

Com este alargamento dos rastreios, A ARSLVT estima chegar ao final do ano com 118 mil utentes diabéticos rastreados, o que corresponde a metade dos diabéticos inscritos nos centros de saúde desta região.

FYC // JLG

Fonte: Lusa

Você também pode gostar ...

0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

1